Pix terá nova medida adicional de segurança

Publicado por Eutolimpo em

Antes de mais nada, sabemos que o Pix foi algo criado para ajudar muita gente e a princípio é muito utilizado por todos. Assim podemos dizer que por ser um meio de pagamento instantâneo, as pessoas possuem uma preferencia maior por ele! Por exemplo, quando você precisa mandar aquele dinheiro para alguém ou simplesmente pagar uma conta que precisa ser compensada na hora.

O Banco Central informou uma mudança que vai afetar o Pix e outros meios de pagamento.

Agora existe a limitação de R$ 1.000 no valor de operações realizadas entre 20h e 6h essa medida foi aprovada com o objetivo de reprimir os casos de fraudes e roubos noturnos. Contudo, as contas de pessoas jurídicas não foram afetadas pelas novas regras. 

A restrição vale tanto para transações por Pix, sistema de pagamento instantâneo, quanto para outros meios de pagamento, como transferências bancárias, via (TED) e (DOC), pagamentos de boletos e compras com cartões de débitos. 

Limites das transações: 

O cliente poderá alterar os limites das transações por meio dos canais de atendimento eletrônico de suas instituições financeiras. Desde já preciso dizer que aqueles aumentos que eram concedidos instantaneamente, agora terão um prazo. Portanto, os aumentos serão efetivados de 24 horas a 48 horas após o pedido.  

A princípio as instituições financeiras também devem oferecer aos clientes a possibilidade de definir limites distintos de movimentação no Pix durante o dia e a noite, permitindo limites mais baixos no período noturno. Porém, ainda será permitido o cadastramento prévio de contas que poderão receber Pix acima dos limites estabelecidos, mantendo os limites baixos para as demais transações. 

Banco Central:

Antes de tudo, o Banco Central estabeleceu medidas adicionais de segurança para o sistema instantâneo de pagamentos, que entrarão em vigor em 16 de novembro. Uma delas é o bloqueio do recebimento de transferências via Pix as pessoas físicas por até 72 horas, caso haja suspeita de que a conta beneficiada seja usada para fraudes. É essencial ficar atento para evitar ser vítima de fraude na plataforma. Conheça, os principais golpes que envolvem o sistema e veja como se proteger deles. 

 Clonagem de WhatsApp

Esse é um dos ataques mais comuns e existe desde muito antes de o Pix ser lançado. Com acesso ao perfil, o golpista aborda os contatos da vítima e pede ajuda financeira, de preferência com transferência por Pix. Depois que o dinheiro é transferido, recuperá-lo é pouco provável, já que a transferência é feita por vontade própria (mesmo que seja motivada por um golpe).

2º Perfil falso no WhatsApp 

Esta modalidade geralmente é relacionada à clonagem da conta é como se fosse um upgrade do método. Depois de sequestrar a conta da vítima, o golpista passa a usar fotos suas, obtidas em redes sociais. Em seguida, ele passa a procurar os contatos da vítima. Como o número de celular é desconhecido, ele alega que teve de trocá-lo. Em seguida, diz que está em uma emergência e pede uma transferência via Pix. 

3º Central de relacionamento bancária falsa 

Nesta modalidade, o criminoso se aproveita do desconhecimento sobre as formas de cadastro das chaves Pix. Ele se passa por funcionário do banco em que a vítima tem conta e oferece ajuda para efetuar o cadastro ou informa que é preciso fazer um teste com o sistema de pagamentos para regularizar o registro. A vítima, então, é induzida a fazer uma transferência via Pix. 

Vale lembrar que as instituições financeiras não solicitam dados pessoais de seus clientes ativamente e seus funcionários não ligam para fazer testes com o Pix. Por isso, não se deve passar informações por telefone e, em caso de dúvida, vale a pena procurar os canais oficiais da sua instituição bancária.  

 4º  Bug do Pix 

Essa fraude começa em mensagens e vídeos divulgados em redes sociais. São fake news que afirmam que um bug no Pix permite que o usuário receba de volta um prêmio em dinheiro quando transfere valores para determinadas chaves. A vítima acredita e envia dinheiro diretamente para o golpista (o dono da chave supostamente contemplada). Dinheiro fácil, anunciado em mensagens em redes sociais, deve ser um sinal de alerta para todos os usuários. 

5º QR Code adulterado

Os pagamentos pelo Pix podem ser feitos a partir de códigos QR. Atualmente, durante a pandemia, é comum que artistas façam lives em benefício de organizações não governamentais e recebam doações, muitas vezes, por QR code. 

Alguns criminosos fazem o download dessas apresentações e criam uma transmissão nova em que colocam seu próprio código QR. Assim, recebem as doações de quem não tem muita experiência com a tecnologia. 

E aí, gostou do conteúdo? Continue acompanhando o Eu tô limpo para ver mais conteúdos incríveis para te ajudar! Siga a gente nas redes sociais: Facebook e Instagram e não se esqueça de acessar nosso site clicando aqui e consultar seu desconto!


Conta pra gente: o que achou desse post?